Denis Mandarino

explore

Sobre

Denis Mandarino

Olá, sejam bem-vindos.

Antes de tudo, gostaria de agradecer aos responsáveis pelo atento acompanhamento e inclusão de trabalhos e informações contidas neste site, em importantes portais da internet, como: Dicionário Houaiss Cravo Albin da Música Popular Brasileira, Enciclopédia Músicos do Brasil, Academia Brasileira de Letras, Alô Artista, Design 24 Horas, Wikipédia, Multishow (Globo), Vagalume, Faculdades Integradas Rio Branco – Fundação dos Rotarianos, Universidade Cruzeiro do Sul, Universidade do País Basco, Modern Art Community entre outras publicações igualmente relevantes, principalmente quando observadas do meu ponto de vista. Muito obrigado!

Autobiografia:

Sou formado em música clássica, pelo Conservatório Musical Maraiza, onde tive aulas de violão com Laura Maria Anieri Castro.

Aos 21 e 22 anos estive entre os vencedores do Concurso Nacional de Violão Clássico ‘Isaías Sávio’, que era patrocinado pela Giannini e acontecia no auditório da extinta Faculdade Marcelo Tupinambá. O prêmio era um violão de concerto e muitas partituras publicadas pelos Irmãos Vitale. Ao terminar o curso de violão clássico, fui para o CLAM me especializar e tive aulas com Toninho Ciardulo.

Na época a música clássica no Brasil exigia muito estudo e ofertava pouca recompensa, decidi fazer algo diferente para aumentar o leque de possibilidades.

Preparei-me por um ano para o vestibular de Educação Física e na última semana decidi estudar pintura na Faculdade de Belas Artes de S.P., para desespero do meu pai (ele só se acalmou quando eu disse que poderia ter escolhido ser poeta).Durante esse período conheci o maestro e compositor Hans Joachim Keollreuter (1915-2005) de quem me tornei discípulo em estética e regência coral.

Terminei o bacharelado em pintura e ingressei como professor no Colégio Mackenzie de São Paulo. Para lecionar no ensino médio, precisei cursar licenciatura plena em educação artística. Depois disso, quem me ofereceu aulas na universidade foi o meu ex-professor e amigo Delton Capozzi, que além de ter me ensinado as bases do desenho projetivo, foi quem mais me questionou e auxiliou durante a elaboração da Teoria da Percepção Quadridimensional; no dia em que me disse que considerava a teoria válida, imprimi os exemplares e os entreguei para a defesa do doutorado (há um resumo dessa teoria na seção ‘Tutoriais’).

Aos 30 anos completei os estudos de pós-graduação no Mackenzie, mestrado em Perspectiva (O Processo no Desenho Projetivo) e doutorado em Teoria das Projeções (O Tempo na Arte Pictórica), orientado pela arquiteta e doutora Maria José Gomes Feitosa. Além da minha orientadora, participaram das minhas bancas os doutores: Nelson Gentil (matemática), Décio Botura (matemática), Percival Tirapeli (arte) e Wilton Azevedo (arte).

Nos anos 80 e 90 participei de diversos concursos e exposições de pintura, sendo elas: Espaço Cultural Citibank, Espaço Cultural Telesp, Pinacoteca Camargo Freire de Campos do Jordão, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo entre muitas outras. No Espaço Cultural Itaú a mostra se ateve às minhas composições musicais, as quais haviam sido produzidas diretamente no computador; a exposição, de vanguarda para a época, precisou que eu emprestasse a minha placa de som profissional para ser instalada em dos computadores da instituição, que executaria continuamente o repertório por uma semana. Além disso, toquei profissionalmente na noite paulistana, o que me levou, em 2007, a redigir o ‘Manifesto Versatilista’, que foi publicado em janeiro do ano seguinte (leia-o em ‘Tutoriais’).

De julho de 2007 a janeiro de 2009 publiquei, pela Editôra Plêiade, a primeira trilogia de contos versatilistas com os títulos: A Busca de Cada Um (julho de 2007), Encontro com o Destino (agosto de 2008) e Além do Quarto Elemento (janeiro de 2009). Em janeiro de 2010 terminei o romance ‘O MESSIAS’. Esses livros são comercializados pela Amazon.com e foram transformados em e-books pelo estúdio ‘APIS Design integrado’.

Em virtude da carreira docente, produzi dezenas de livros técnicos e didáticos sobre: CAD, Modelagem Digital em Rhino e 3DMAX, Comunicação e Arte, Desenho Geométrico, Desenho Técnico, Geometria Descritiva e Perspectiva – que podem ser consultados na seção ‘Publicações’.

Profissionalmente divido o meu tempo entre a produção artística e a carreira de professor universitário. Leciono, atualmente, nas Faculdades Rio Branco e na Unicsul, as seguintes disciplinas: Modelagem 3D, Plástica, Ilustração Digital, Processos Criativos, Novas Mídias, Novas Tecnologias, História da Arte e do Design, Edição de Vídeo entre outras.

A ‘Perspectiva quadridimensional’ é um método de projeção central, inspirado pela teoria da Percepção Quadridimensional, a qual terminei de escrever em 1995. Embora os nomes sejam parecidos, os assuntos são diferentes. A ideia de usar múltiplos pontos de fuga, simulando um observador em movimento, surgiu em 1997, depois de: 1) ter estudado os processos de perspectiva existentes, 2) pesquisar até que ponto eles se relacionavam com a percepção humana e 3) ter pintado uma série extensa de paisagens urbanas com os métodos consagrados de 1 e 2 pontos de fuga. Quando visto rapidamente, o método empregado em muitos dos quadros que contém a perspectiva quadridimensional, pode passar despercebido. Muitas pessoas nem percebem que a perspectiva está sendo abordada de uma maneira diferente. A minha intenção, ao desenvolver esse processo, foi a de ´´convidar“ os olhos a se movimentarem constantemente, ao contrário do efeito visual ´´sugerido“ pelo observador fixo das perspectivas tradicionais. Não é a quantidade de pontos de fuga que diferencia a Perspectiva Quadridimensional das outras, mas o modo como foram empregados. Ver exemplos em ‘Artes Plásticas’.

Em 2011 a Universidade de São Paulo incluiu a Teoria da Percepção Quadridimensional como conteúdo para o concurso de professor doutor da ECA.

Em 2013 a Modern Art Community publicou um artigo sobre minhas pinturas no livro ‘Featured Artists’.

Em 2014 a Universidade do País Basco publicou um artigo comemorativo com o seguinte título: “La perspectiva cuatridimensional de Denis Mandarino”.

Na área de multimídia, fiz trabalhos para as seguintes empresas: ANSP, RAY-BAN, MC DONALD’S, POLENGHI, SENAI, IFT (Instituto de Física Teórica), UNIBAN, UNINOVE entre outros clientes menos conhecidos, mas não menos importantes.

Deixe sua mensagem!